Institucional Consultoria Eletrônica

RH educador


Publicada em 13/09/2017 às 09:00h 

"Necessário é que se reformem as instituições humanas. Isso depende da educação. 
Não da educação que faz homens instruídos, mas daquela que forma homens de bem."

(Allan Kardec)

 

Inteligência corporativa não emana de máquinas, sistemas ou mesmo tecnologia, mas de pessoas. Daí a importância do papel desempenhado pelo RH nas organizações.

 
Primeiro foi o "RH burocrático", representado pelo chefe de pessoal, seguido pelo "RH operacional", comandado pelo diretor de relações industriais. Ambos, velhos conhecidos dos profissionais da área, simbolizando o lendário DP, ou departamento de pessoal, berço dos recursos humanos. Um legado getulista, das conquistas perpetradas pela CLT e das garantias constitucionais.

 
Os anos de 1980 trouxeram ao cenário o "RH negociador", centrado na resolução de conflitos sindicais decorrentes da crise do emprego que caracterizou a chamada "década perdida".

 
Depois surgiu o "RH gerencial", com foco nas pessoas, recebendo inclusive denominações como "talentos humanos" ou "gestão de pessoas". O intuito era valorizar o "capital humano" como grande diferencial competitivo.
 
Mais recentemente entrou em cena o "RH estratégico", uma versão com título pomposo e finalidade de aproximar o departamento das decisões corporativas, deixando de ser mero coadjuvante.

 
Estas várias visões de RH coexistem, embora o burocrático e operacional, eminentemente técnicos, vicejem na maioria das empresas. Se o gerencial humanizou as corporações, o estratégico voltou a distanciá-las das pessoas, diante da preocupação com o negócio e o resultado traduzido pelo azul na última linha do balanço.

 
Ainda que harmonizar estes papéis seja um caminho digno de ser perseguido, um propósito maior necessita ser considerado. Eu o chamo de "RH educador" e seu preceito básico é instruir os colaboradores não apenas para a empresa, mas para a vida.

 
A razão é simples. Educar para a empresa contempla o justo objetivo de buscar a lucratividade. Porém, educar para a vida significa respeitar os imperativos individuais e sociais, suprindo um vácuo há muito deixado pelas instituições públicas e continuamente absorvidas pelas organizações privadas.

 
São missões deste RH educador promover a qualidade de vida, mediante refeições nutricionalmente balanceadas e campanhas permanentes de combate ao alcoolismo, tabagismo e outras drogas. Desenvolver competências técnicas, comportamentais, relacionais e valorativas através de programas de treinamento em todos os níveis hierárquicos. Estimular atividades culturais e práticas de responsabilidade socioambiental. Ensinar planejamento financeiro para o bom equilíbrio do orçamento familiar. E estes são apenas alguns exemplos.

 
O RH não é mais ou menos importante do que qualquer outra divisão dentro de uma companhia, mas igualmente relevante, dentro de uma visão sistêmica. Porém, é o único que pode ser o esteio de transformações edificantes, porque não usa cimento e areia, números e dados como matéria-prima, mas corações e mentes.

 

Por Tom Coelho


 





Sobre o(a) colunista:



Tom Coelho é autor de “Sete Vidas – Lições para construir seu equilíbrio pessoal e profissional”, pela Editora Saraiva, além de consultor, professor universitário e palestrante. Com formação em Publicidade pela ESPM, Economia pela FEA/USP, especialização em Marketing pela Madia Marketing School e em Qualidade de Vida no Trabalho pela USP, é mestrando em Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente pelo Senac. Diretor da Lyrix Desenvolvimento Humano, Diretor Estadual do NJE/Ciesp e VP de Negócios da AAPSA. Contatos através do e-mail tomcoelho@tomcoelho.com.br.



Veja as matérias na seção 'Artigos'.
M&M Assessoria Contábil Ltda Telefone
Av. Assis Brasil,6656/1º andar - Bairro Sarandi (51) 3349-5050
Porto Alegre/RS.  
Vai para o topo da página Telefone: (51) 3349-5050