Institucional Consultoria Eletrônica

O Talento e a Crise


Publicada em 24/08/2019 às 09:00h 

Conta a história que no ápice da crise de 1929, a quinta pessoa mais rica da Alemanha cometeu suicídio ao se jogar na frente de um trem porque perdeu mais de 1 bilhão de dólares com o crash. O fato que interessa é que o suicida alemão tinha uma fortuna avaliada em mais de 9 bilhões de dólares.


Na verdade em toda e qualquer tipo de crise existem os alarmistas que se gabam por ter previsto que uma hora a bolha iria estourar, os otimistas que dizem: - calma, que logo tudo passará!, os prático-realistas que se preocupam em como sobreviver e quem sabe tirar uma casquinha dessa confusão toda e os loucos por notícias que ficam desesperados e perdem a noção da realidade tamanha a enchente de péssimas informações. Esses são os primeiros a sucumbir.


O talento sabe que em toda crise há a oportunidade, mas não estou só falando da oportunidade de novos negócios ou geração de receita, quero discutir com você a oportunidade de se transformar e amadurecer como pessoa, de ter uma visão mais sistêmica do seu negócio e do mundo. Oportunidade para fortalecer parcerias e relacionamentos com clientes, fornecedores e principalmente com os seus funcionários. Agora, mais do que nunca, essa história de "nossa empresa é uma grande família" irá ser testada.


Em caso dos negócios diminuírem fica a oportunidade para rever processos, fazer mais com menos, reviver e fortalecer os grupos de melhorias que estavam lá escondidinhos durante a bonança, de ouvir mais e melhor o cliente ou quem sabe criar algo inesperado que encante o mercado. E não perder a maior de todas as oportunidades: a de reflexão e ação para mudança de postura profissional, de aprender e reaprender com o que foi feito de errado e quem sabe uma forte mudança no modelo de negócios da empresa.

Foi no ano da crise de 1929 que a Unilever chegou ao Brasil e começou sua tão bonita história e que dia após dia continua a fabricar produtos como o Omo, Rexona, Maizena, ou ainda, produtos da marca Knorr e Kibon, entre tantas outras. Outro exemplo? Nesse ano a Lojas Americanas completam 80 anos de história. E que história! De quase falida para um dos ícones do comércio eletrônico brasileiro. Para finalizar temos a fábrica de tecidos Tatuapé que hoje é conhecida como Santista Têxtil. Todas viveram suas crises, todas se transformaram e todas saíram mais fortes.


Mas o que espero de verdade é que o Mundo e seus grandes líderes não percam a oportunidade de mudar o que precisa ser mudado, que cooperem entre si, que evitem um protecionismo infundado, que deixem de acreditar que existe prosperidade ad eternum e que entendam de uma vez por todas que será só unindo forças que tudo irá melhorar.


É exatamente assim que a sua empresa deve fazer para sofrer menos em épocas de crise.

Por Paulo Araújo






Sobre o(a) colunista:



Paulo Araújo é especialista em Inteligência em Vendas e Motivação de Talentos. Diretor da Clientar – Projetos de Inteligência em Vendas. Autor de "Paixão por Vender" - Editora EKO, entre outros livros.



Veja as matérias na seção 'Artigos'.
Telefone (51) 3349-5050
Vai para o topo da página Telefone: (51) 3349-5050